Matérias

Corrida de Aventura tem percurso de até 70 km

No sábado (17), em Guaratuba, os atletas da Corrida de Aventura puderam testar seus limites em duas categorias: Aventura, com um trajeto de 35 km, e Expedição, com um percurso de 70 km. A modalidade reúne várias práticas esportivas e os praticantes concluem a prova pedalando, remando, nadando, correndo e até fazendo rapel.

A corrida de aventura é um esporte de equipe que reúne várias provas em um trajeto definido pelos competidores a partir de pontos de controle de passagem obrigatória. Stefania Kovaliuk, 44 anos, fazia triatlo quando um amigo a convidou a participar de uma corrida de aventura. De lá para cá foram três anos em que ela abandonou o antigo esporte e se dedica exclusivamente à corrida de aventura. “É uma paixão, essa coisa do off road, do contato com a natureza”.

No ano passado ela conheceu o namorado, Vinicius Rocha, de 42 anos. Essa foi a primeira vez que os dois correram juntos e a conquista deixou Rocha animado para participar de outras provas. “É uma sensação de autorrealização, eu nunca imaginei fazer isso e é muito bom poder estar no meio desse time aqui porque tem gente muito boa e muito competente”, comentou Rocha, se referindo aos outros participantes da corrida. Stefania e Rocha foram os campeões da categoria aventura por dupla mista.

Stefania disse ainda que o clima entre os competidores é de muita amizade, é uma competição saudável “a gente ajuda mesmo as equipes adversárias, mesmo durante a prova. Acontece de furar um pneu, sempre tem alguém para dar uma mão, é uma competição muito bacana”. E ela ainda considerou que esses atletas, por terem um contato mais próximo com a natureza, tem um cuidado maior com o meio ambiente, uma preocupação com a preservação e a sustentabilidade.

Eriston Schypula, presidente da Federação de Corridas de Aventura do Paraná, afirmou que os Jogos de Aventura e Natureza são “a união de vários esportes que são muito relacionados, as pessoas estão aqui por um bem comum, fazem isso por amor, fiquei muito feliz por esse incentivo”. Quanto à sua modalidade, Schypula considera a corrida de aventura um esporte multidisciplinar porque desenvolve os aspectos físicos, mentais e sociais.

Além disso, o presidente afirmou que o esporte é muito inclusivo e contou sobre a primeira vez que participou de uma corrida, há 14 anos. “Fui com uma mochila que eu ia para universidade, o tênis que eu andava todos os dias e uma bicicleta emprestada e no meio da prova eu disse que jamais faria outra”. Mas o esporte virou uma paixão, principalmente porque, para ele, o maior desafio é a superação pessoal.

Colaboração e foto: Amanda Iargas/ Esporte Paraná