Matérias

Aquathlon: modalidade democrática movimenta Praia Mansa

O Aquathlon movimentou a Praia Mansa de Caiobá no último domingo (18) durante a primeira etapa dos Jogos de Aventura e Natureza, realizada no litoral paranaense. Cerca de 70 atletas participaram da competição, conhecida por reunir natação e corrida, em distâncias e categorias variadas.

O presidente da Federação Paranaense de Triathlon, Luiz Iran Guimarães, explicou que o Aquathlon foi escolhido especialmente para integrar a programação dos Jogos por ser um esporte totalmente democrático: “Optamos pelo Aquathlon e não pelo Triathlon, por exemplo, para conseguir abranger um número maior de atletas. Deixamos a bicicleta de fora porque é mais difícil para os competidores trazerem suas bikes de treino para cá. Com isso ganhamos no número de participantes: hoje foram 70, mas, na próxima etapa aqui no litoral, em outubro, esperamos cerca de 600”.

O atleta Bruno Mateus, de 33 anos, chegou em primeiro lugar na categoria masculino (30-39), com o tempo de 57:28. Ele contou que, embora tenha começado a nadar aos quatro anos, o Triathlon entrou na sua vida aos 15 anos de idade. Com a medalha em mãos, ele destacou a importância dos jogos para a modalidade esportiva: “Com certeza, o Aquathlon tem tudo a ver com natureza. É um esporte outdoor e essa interação é fundamental para o crescimento do esporte e para a conscientização das pessoas em relação a natureza”.

Os praticantes de Aquathlon têm o grande desafio de se desenvolver em esportes que são bem diferentes. A corrida deixa os músculos mais rígidos, o que atrapalha na flutuação do corpo na água, prejudicando o nado. Já a natação alonga bem a musculatura e exige uma ação muscular mais relaxada e fluida, uma grande dificuldade para a hora de correr. Isso faz com que os atletas precisem de foco e treino diário para atingir bons resultados.

Com apenas 17 anos, Gabriele Lemes, é um exemplo de como a rotina de treinos é importante. Ela chegou muito antes das outras atletas e contou que é exatamente a disciplina, além das habilidades individuais, que fazem com que os atletas se destaquem: “Comecei a treinar diariamente em 2015 no Colégio da Polícia Militar do Paraná, onde foi criada a escolinha de Triathlon na época e, atualmente, vejo o meu desempenho como um incentivo para futuros campeonatos”, relatou.

Colaboração e foto: Ana Reimann/ Esporte Paraná